quinta-feira, 7 de junho de 2012

6º CHEFE DO IMPÉRIO DA INCOMPETÊNCIA BUROCRÁTICA

"No final do governo Brejnev, Chernenko estava expedindo determinações de todos os tipos em nome do Secretário-Geral. Ele alçou a máquina burocrática ao nível mais elevado. Sob sua supervisão, o aparato foi computadorizado e a informação alimentada no sistema passou a ser monitorada com mais eficiência. Por iniciativa dele, um tubo pneumático subterrâneo para circulação de papéis foi instalado entre o Kremlin, onde o Politburo se reunia, e a Praça Staraya, onde a organização do Comitê Central estava instalada, permitindo o encaminhamento de documentos. Brejnev outorgou-lhe o Prêmio Estatal de iniciativa.

A economia dirigida, que funcionava bastante bem em tempos extremos como de guerra e de terror, era um tormento. O país gastava desmedidamente seus recursos naturais ao exportá-los para o Ocidente. No curso de 1984, sob Chernenko, o governo comprou 46 milhões de toneladas de grãos e produtos dos cereais, cerca de 500 mil toneladas de carnes e seus derivados, mais de um milhão de toneladas de óleo animal e vegetal, bem como outros itens alimentícios, tudo no valor de oito bilhões de dólares.

O vice-diretor do departamento econômico do Comitê Central, B. Gostev, reportou ao Politburo que quase 60% dos recursos, sob forma de moeda conversível, tinham sido aplicados na compra de comestíveis, metais ferrosos, químicos e bens de consumo, enquanto a URSS exportara petróleo, gás, madeira e outras matérias-primas. Tal relatório foi, literalmente, uma condenação da ineficiência econômica socialista.

Acreditava (Chernenko) que uma ordem emanada do secretário-geral bastava para modificar a situação e chegar ao aprimoramento em qualquer área. Sua mente burocrática não atinava para a ineficácia dos mecanismos extra-econômicos e no fracasso implícito da tentativa de administrar um complexo tão vasto com os princípios da economia dirigida. E quando conseguia perceber a natureza de um problema, era incapaz de raciocinar sobre a maneira de resolvê-lo. Em consequência, seguia o instinto e prosseguia executando o que era antes feito."

Os sete Chefes do Império Soviético
Dmitri Volkogonov

2 comentários:

  1. Doutor Ailton, outros blogs poderiam seguir o seu exemplo e colocar mais textos como esse. Sei o quanto é pesado tentar combater a ideologia de esquerda no Brasil, posso dizer isso com categoria, afinal a Faculdade de Direito da UFG e a Facomb estão sendo ameaçadas pelo DCE de sofrerem piquetes se não aderirem à greve das Universidades Federais no Brasil, mas, enfim, o que resta na mentalidade deles é o caminho da violência e da servidão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eis o paradoxo do caminho da servidão. Ao se descobrir nele, já não se está.

      Excluir

A liberação dos comentários obedecerá estrita e rigorosamente os critérios do proprietário do blog, observando, em primeiro lugar, os princípios legais.